Há 7 anos tirei a CNH e a motivação para fazer o curso de motorista foi porque a legislação iria mudar , nos  centros de formação de condutores teríamos que realizar aulas práticas noturnas e , não queria enfrentar essa nova lei pois tinha medo de dirigir, principalmente à noite. Acredito que eu associei o acidente que tive na BR em 1998 de carro que foi à noite, embora meu pai que estivesse dirigindo, mas foi um episódio que eu não esqueci.
Fiz um ano de autoescola porque era muito insegura para dirigir, lembro que comprava mais aulas para não deixar acabar e assim evitava a marcação do exame prático, porém , teve um dia que precisei enfrentar , marquei e passei no primeiro exame.
Depois que passei no exame tentei várias vezes dirigir sozinha e não conseguia . Com o carro do meu pai fiz algumas tentativas até que um dia tive uma crise de pânico dirigindo, e prometi não tentar mais.
Em 2017 meu pai faleceu e determinei que eu precisava ajudar a minha mãe e a mim mesma por isso dirigir era minha meta.
Eu percebi que era necessário começar a encarar a vida diferente. Foi quando encontrei a Psicotran.
As sessões foram muito importantes porque cada uma teve um diferencial que me ajudou muito:
A terapia em grupo foi essencial porque pude perceber que não era a única pessoa que tinha esse problema .
O acompanhamento dentro do carro,  foi de um incentivo  e compreensão, que fez toda diferença pois não se tratava de uma “instrutora” ali do meu lado   e sim, uma pessoa que faz um trabalho  terapêutico de fato, uma psicóloga que acolhe, que cuida dos nossos medos.
Obrigada psicóloga Salete , gratidão eterna!

Anelise Regina Mowka, 32 anos, dentista

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *