Sempre dirigi acompanhada com meu esposo do lado e sempre
deixava o carro morrer toda hora até que um dia em uma conversão , subi no meio fio e estraguei o pneu. Dai meu esposo teve que trocar o pneu , colocar o estepe e ele voltou dirigindo . Eu não ia conseguir voltar dirigindo porque quando eu subi no meio fio já entrei em pânico e comecei a chorar.
Depois disso comecei aulas para habilitados , fiz 16 aulas me ajudou um pouco . Quando tentei um dia sair sozinha para ir na casa da minha mãe no sítio cercado , o semáforo fechou na rampa e eu não conseguia sair , ainda bem que estava acompanhada do meu esposo, ele que assumiu o volante e levou o carro, me senti triste porque queria ter conseguido .
Em 2017 , em janeiro fiquei sabendo do meu primo Elisiomar que fez o tratamento na Psicotran , além disso vi no site outros depoimentos que me incentivaram a fazer mais uma e última tentativa para dirigir .
Agora é diferente porque consigo controlar o carro, saio sozinha , sei que posso ligar o carro novamente sem me preocupar com os outros , consigo passar marcha no tempo certo , antes não sabia me organizar com elas!!
Me sinto muito feliz ,
Tenho chorado de
Emoção a cada conquista !! Agora sei que sou capaz de ir e vir sem a necessidade de ninguém ao meu lado falando o que devo ou não fazer.
O que me motivou foi ver os exemplos de todas essas pessoas que estão nessa página e hoje me orgulho de estar aqui fazendo parte desse grupo de pessoas que superou o medo de dirigir.
Minha mensagem para você que tem esse medo: “acredite que é possível , mas procure uma ajuda especializada não é questão de aprender a dirigir , é emocional .
Agradeço em especial a psicóloga Salete que esteve ao meu lado nas sessões do carro e também a Sagriely por participar das sessões do consultório.
Fiquei muito feliz em conhecer as meninas que também vieram com o mesmo objetivo para a Psicotran que fizeram parte desse momento tão especial da minha vida são elas: dona Ercilia, Anelise, Elaine ,Ana Carolina, Marcia ,Scheila e Dona Maria.

Fernanda Soares Miranda Bortolon, 36 anos, professora

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *