O medo pode ser visto como uma reação fisiológica de liberação de uma grande quantidade de adrenalina e cortisol no cérebro.

Essa resposta é causada, em situações adversas, pela defesa natural do corpo, a partir de uma estrutura cerebral chamada sistema límbico, responsável pelas emoções. Nesta parte do cérebro, temos a amígdala, que recebeu aquela informação que não pôde ser bem conduzida, e registrou uma inadequação, ficando registrado um sinal de medo. A partir disso, ocasiões que remetam à circunstância inicial servirão de gatilho para a manifestação do pavor gravado no inconsciente.

Medo X fobia

Apesar de ser um impulso natural do ser humano e essencial para evitar situações de perigo, o medo exagerado, no entanto, pode se tornar um sério problema quando começa a atrapalhar situações cotidianas. Esse pavor excessivo recebe um nome: fobia.

A fobia é um medo em tamanho desproporcional criado por um processo de distorção da realidade. Ao receber as informações da realidade, através dos canais visual, auditivo e cinestésico, e por uma falha no processamento destas informações, geramos uma representação interna diferente da realidade externa.

Essa potencialização do medo pode atrapalhar a vida de quem sofre com o problema e, muitas vezes, acaba paralisando a pessoa, impedindo que ela faça coisas normais. A origem das fobias é um sentimento de inutilidade ou de incompetência que gera um medo maior de não conseguir lidar com aquilo que se tornará o problema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *