Todos já sabem que álcool e direção formam uma combinação proibida e perigosa. Não faltam informações sobre o assunto e mesmo assim, todos os dias são registrados acidentes causados por motoristas embriagados.

Este não é um problema com o qual convivemos apenas nos finais de semana ou feriados prolongados. Uma reunião na casa dos amigos, o happy hour depois de um dia estafante, a balada de sábado à noite e a paradinha no bar na saída do escritório. Para muitos nada disso tem sentido sem a companhia de uma bebida alcoólica.

E se a punição já esta mais severa e não inibe este comportamento, afinal qual é o problema dos motoristas que insistem nesta prática de beber e dirigir?

Não existe uma resposta padrão relacionada a renda, educação, idade ou localização geográfica. A verdade é que este é um problema de comportamento. Algumas pessoas nunca aprenderam a respeitar regras e limites, enquanto outras simplesmente não conseguem pensar nas consequências de seus atos. 

Muitos pais deixaram de lado ensinamentos básicos como orientar os filhos sobre atravessar a rua, respeitar normas e mesmo pensar nos problemas que seus atos podem gerar. Isso ocorre geralmente entre aqueles que foram muito cobrados e querem dar maior liberdade aos jovens.

Mas, tudo precisa de equilíbrio. Crianças, adolescentes e adultos precisam entender que no trânsito, a minha decisão afeta a vida do outro. Assumir a direção depois de beber pode gerar problemas burocráticos e financeiros, mas antes de pensar nisso é fundamental que fique claro para todos que o maior risco é perder a própria vida ou tirar a de outras pessoas. A receita é reaprender o básico antes de ir para as ruas.

E a responsabilidade é de todos! Por isso, se você conhece alguém que tem um comportamento inadequado no trânsito oriente esta pessoa a procurar a ajuda de um profissional. Mudar o comportamento pode parecer algo simples, mas na verdade é uma questão de vida ou morte!